A Cara que Mereces (Portugal, 2004), de Miguel Gomes

Por Fábio Ramalho

“Eu estou doente. Vocês são sete para que eu fique bom. E devem todos pensar assim: ele é ele, nós somos nós. Nós somos sete para que ele fique bom.”

Tido como um dos importantes nomes do novo cinema português, Miguel Gomes realiza com o seu primeiro longa-metragem, A cara que mereces (2004), que o Cineclube Dissenso exibe no próximo dia 25 de fevereiro, às 14h, uma revisitação do universo da infância marcada por diversos elementos a esta comumente associados, tais como os contos de fadas, as canções de ninar, as fantasias, os jogos e os pactos, as lendas e os monstros. Dividido em duas partes, a obra toma inicialmente as circunstâncias de um aniversário como mote para colocar em movimento um exercício de fabulação levado a cabo pelo protagonista em seu acerto de contas com o passado e consigo mesmo. Nesse sentido, A cara que mereces se dedica a elaborar uma forma para essa necessidade que por vezes nos assola: a necessidade de sair de cena quando constatamos que algo deu errado, a fim de melhor nos recompormos.

Deste desejo de retirada resulta uma operação mediante a qual é o próprio filme que termina por derivar, instalando-se em outro espaço e em outra temporalidade marcados não mais pelo ritmo e pelas exigências de um relato, mas pelo esforço realizado com vistas a delimitar uma espécie de refúgio. Nessa pausa, que equivale ao período de convalescença e se desdobra segundo suas próprias regras, é a natureza das relações de cumplicidade e de disputa características da infância, bem como os vínculos daí resultantes, que vêm assumir a dianteira. Em última instância, é o próprio exercício do cinema que se constitui nessa comunidade, nutrindo-se dessa philia.

Num determinado momento do filme, dois personagens conversam e um deles manifesta uma crescente irritação para com as digressões que conduzem a história que está sendo contada a caminhos inesperados e aparentemente aleatórios. À irritação de seu interlocutor, aquele que está narrando, responde: é preciso ter paciência para escutar uma história. De certo modo, não é outra coisa que o filme de Miguel Gomes nos pede com sua lógica pouco convencional. A recompensa para aqueles que se dispuserem a entrar no jogo proposto é a possibilidade de partilhar uma experiência na qual os tempos da brincadeira e da fábula se conjugam para nos falar um pouco daquilo que nos constitui e que nos acompanha. Um parêntese, enfim, para evocar figuras – lembradas ou inventadas, pouco importa – que podem ter sido decisivas durante certas experiências formadoras; figuras que persistem, prontas para serem presentificadas e, nesse entretempo, darem testemunho de tudo aquilo que, em certa medida, ainda somos.

SERVIÇO
Cineclube Dissenso
A Cara que Mereces (Portugal, 2004), de Miguel Gomes
Sábado, 25 de fevereiro de 2012, às 14h
FUNDAJ – Sala João Cardoso Aires
Rua Henrique Dias, Derby, 609
Entrada Gratuita

Anúncios

Uma ideia sobre “A Cara que Mereces (Portugal, 2004), de Miguel Gomes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s