Um Canto de Amor (França, 1950) + A Consequência (Alemanha, 1977), de Wolfgang Petersen

Por Rodrigo Almeida

Quando estamos inseridos no meio e presenciamos alguns cinéfilos defenderem a ferro e fogo suas paixões subterrâneas, nos vemos diante de um itinerário recorrente e notado pelo ex-Cahiers du Cinéma Antoine de Baecque, onde se ressaltam e valorizam artistas menosprezados ou absolutamente invisíveis, para então sermos apresentados ao mesmo nome uma dúzia de vezes, a cada encontro, até nos darmos conta de certo burburinho na crítica especializada. Logo as revistas se apoderam da criatura e suas crias, programações alternativas são montadas por debaixo dos panos em longínquos escaninhos até o próprio cineasta ser contactado ou reconhecido em um grande festival (leia-se Cannes) e ganhe o prêmio máximo e mais anacrônico do século: o de ser um grande e maravilhoso autor.

Foi pensando inicialmente nisso, buscando inclusive alfinetar seus próprios vícios curatoriais da busca do autor, que o Cineclube Dissenso montou uma sessão especial no próximo sábado, às 14h, no Cinema da Fundação com o curta Um Canto de Amor (França, 1950), única produção cinematográfica dirigida pelo escritor / dramaturgo Jean Genet, seguido do longa A Consequência (Alemanha, 1977), de Wolfgang Petersen. Se o primeiro poderia seguir tranquilamente o itinerário anterior, o de estarmos resgatando um emblema único e esquecido, o segunda artista é responsável por uma série de obras que certamente estão entre as proibidas nos campos elísios dos cinéfilos, tais quais Mar em Fúria, Tróia e Poseidon (a refilmagem). Portanto, aqui não cabe traçar uma trajetória ou juízo de valor seguindo uma lógica velha e tão precária.

No entanto, os filmes foram escolhidos também por se encararem nos olhos, com os reflexos inundados de desejo, por meio da impecável fotografia em preto e branco e, especialmente, pela dupla capacidade de romperem as fronteiras de uma prisão: as fantasias sexuais e as memórias do corpo são mobilizadas em instâncias de criação e transgressão. Há em ambas produções um espírito libertário que atravessa fendas nas paredes, fechaduras, transpõe guardas noturnas, cadeados, assume forma de fumaças passadas boca a boca, de falos eretos, peitos ossudos e suados, não tomando conhecimento das restrições da gaiola. Só que nas narrativas em questão, o perigo não ronda apenas a gaiola e as cicatrizes se acumulam num universo físico, material e mental fora dela.

SERVIÇO
Cineclube Dissenso
Um Canto de Amor (França, 1950), de Jean Genet
A Consequência (Alemanha, 1977), de Wolfgang Petersen
Sábado, 17 de setembro de 2011
Cinema da Fundação, 14h
Rua Henrique Dias, Derby, 609
Entrada Gratuita

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s