Ló em Sodoma (EUA, 1933), de James Sibley Watson e Melville Webber, e Salomé (EUA, 1923), de Charles Bryant


Por Pedro Neves

“We had faces then!”, diz a personagem de Gloria Swanson em Crepúsculo dos Deuses (Billy Wilder, 1950). Sim, os atores do cinema mudo americano tinham rostos, e tinham corpos também. Corpos que dançam, gesticulam, se contorcem, significam. Corpos que, como os rostos das grandes estrelas, permanecem distantes e imateriais – aparições. E são numerosos os corpos etéreos que vemos nos dois filmes que o Cineclube Dissenso exibe este sábado, 23/7: Ló em Sodoma (Lot in Sodom, EUA, 1933) e Salomé (EUA, 1923).

Estes não são, entretanto, exemplares típicos do cinema americano dos anos 20 e começo dos anos 30. São, cada um à sua maneira, produções independentes, criadas à margem ou à revelia do sistema de estúdios de Hollywood, já plenamente estabelecido no começo da década de 20. Produções que ousadamente ignoram ou buscam expandir o limitado escopo de temas e escolhas estéticas que a moralidade e, principalmente, a rentabilidade impõem como aceitáveis. Os dois filmes têm em comum uma sensibilidade raramente vista no cinema americano da época: erudita, rarefeita, simbolista, fin-de-siècle, um tanto camp, bastante queer.

Dirigido, junto com Melville Webber, por James Sibley Watson, médico de profissão com fortuna suficiente para perseguir o cinema como paixão e hobby, Ló em Sodoma pode ser entendido como uma tentativa de aplicar as teorias literárias de e. e. cummings e Ezra Pound no cinema – uma busca por um vocabulário formal preciso, no qual combinações de técnicas de filmagem e edição acarretam emoções específicas. O que mais surpreende no filme, entretanto, é o homoerotismo de suas imagens. A cidade bíblica do pecado é povoada por belos jovens seminus; a câmera persegue seus corpos, passeia por suas peles, fixa-se em seus rostos. Os efeitos de sobreposição e os truques de edição multiplicam seus movimentos e detêm o tempo para que seus gestos estilizados possam ser contemplados com mais vagar. A cidade da sensualidade e beleza é destruída pelo fogo divino, mas suas estranhas imagens sobrevivem na película.

Bem mais próxima ao sistema de estúdios estava Alla Nazimova. A atriz russa era uma das figuras mais poderosas de Hollywood no fim dos anos 10 e começo dos anos 20, graças às suas atuações magnéticas e à personalidade exótica e misteriosa que cultivava. Com o dinheiro e credibilidade que lhe renderam seu estrelato, criou em 1918 a Nazimova Productions, concentrando-se exclusivamente em filmes que lhe interessavam, sempre estrelados por ela mesma. Fez oito filmes combinando as funções de atriz, produtora e roteirista, todos eles perdidos ou danificados, com exceção do último, Salomé – uma adaptação da peça de Oscar Wilde de 1891.

Dirigido pelo ator Charles Bryant, seu marido por conveniência em uma época em que a homossexualidade podia destruir uma carreira no cinema, Salomé não apresenta inovações no trabalho de câmera ou na edição. Seu aspecto mais vanguardista é a direção de arte e figurino, assinados por Natacha Rambova, discípula de Nazimova e esposa de Rodolfo Valentino. Os cenários quebram completamente com o realismo ao recusar a profundidade, remetendo às ilustrações chapadas de Aubrey Beardsley para a peça de Oscar Wilde e às origens teatrais do texto. Como Beardsley, Rambova faz excelente uso do preto-e-branco do filme para atingir o máximo de dramaticidade. Nesse estranho palco povoado por figuras grotescas e de sexualidade ambígua, Nazimova demonstra o talento que a tornou um ícone. Sua atuação extremamente estilizada – mesmo para os padrões do cinema mudo – casa controle com excesso, o ridículo com o sublime.

Fracasso de público e crítica, Salomé é um experimento falho e fascinante, que arruinou a carreira de produtora de Nazimova. Como Ló em Sodoma, é um raro sobrevivente de um cinema americano esquecido e que merece ser reavaliado.

SERVIÇO

Cineclube Dissenso
Ló em Sodoma (EUA, 1933), de James Sibley Watson e Melville Webber, e Salomé (EUA, 1923), de Charles Bryant
Sábado, 23 de julho de 2011
14 horas
Cinema da Fundação
Rua Henrique Dias, 609, Derby

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s