Se não há filme

Por Sônia Lessa Norões

Se não há filme, não se pode assisti-lo, e se não há quem o assista, também não há filme.

A construção desse ciclo vicioso não é tão obvio como parece. Percorre as mesmas dificuldades que enfrentou Aristóteles, em 300 a.C., quando refletiu sobre a relação entre o número e o numerante (quem pensa o número). Confusão ampliada pela compreensão da evolução da matéria: antes da aparição do cérebro humano já existiam as leis físicas que os números representam. (O astrofísico canadense Hubert Reeves conta bem essa história, no livro  Malicorne – Reflexões de um observador da Natureza.

Assim é um filme.

O público assiste o filme, significante de uma mensagem veiculada através de recursos técnicos também portadores de uma semântica, de um significado. A direção e o roteiro já expressam significados nas técnicas escolhidas para veicular significantes de uma mensagem percebida no caleidoscópio da existência humana. Podemos complicar este raciocínio inicial se introduzimos a reflexão de Henry Laborit, o biólogo autor da tese que é tema do filme “Meu tio na América”, de Alan Resnais. Laborit, no texto Escrita e Conhecimento, que faz parte do livro “L’esprit du grenier” , que conheço de uma tradução amadora para o português, adverte ser o audiovisual incapaz de exprimir um conceito abstrato, pelo menos para o grande público e que sua força advém do fato de tocar diretamente a afetividade, o lado direito do cérebro.

Portanto, o audiovisual seria mais susceptível que a escrita de oferecer significantes, percebidos a partir da história e da memória de cada um dos espectadores. Essa reflexão me alcança porque tive a felicidade de assistir, numa sala improvisada na Universidade Federal de Pernambuco, com um grupo de jovens que têm muita informação sobre cinema mas a metade de minha idade, 2 filmes japoneses, da mesma década –  A mulher das Dunas (1964), de Hiroshi Teshigahara e  A ilha nua (1960), de Kaneto Skindo, e elegi, em ambos, a água, como a grande metáfora.

É na água que os dois diretores depositam a significação do aprisionamento e da liberdade.

Em A mulher das Dunas, o entomologista encontra o inseto que guiava a sua busca, mas redescobre seu caminho quando encontra água num lugar inóspito. Em A ilha nua, mais que a vida humana, é a água o sinal da continuidade. Mas eu elegi a água como elemento significante nos dois filmes porque eu sabia da importância da água no imaginário japonês: o Japão são ilhas; as florestas das montanhas japoneses são consideradas intocáveis porque as inundações das planíceis só foram contornadas com o reflorestamento dos Alpes; o saquê é chamado de “água”; no imaginário japonês existe o Kappa, um duende aquático com cerca de um metro de altura, o alto da cabeça é côncavo e sempre tem água empossada. Dizem que, se essa água cair, o kappa perde toda a sua força, tornando-se fraco e vulnerável. Então eu entendi a reação do marido quando a mulher derramou a água e entendi porque a água foi uma descoberta mais importante do que o inseto.

Pensei que a juventude que me acompanhava, pela abundância da água oferecida aos bairros mais urbanizados do Recife; por nosso pouco conhecimento sobre as lendas indígenas que deram substância à imaginação de José de Alencar para banhar Iracema nas águas do mar  e na cachoeira de Ipu; e por não terem tido ainda tempo de saber mais sobre o Japão, podem ter eleito outro significante.

Pensei na história dos diretores,

pensei na história dos roteiristas,

pensei na memória dos espectadores.

Anúncios

3 ideias sobre “Se não há filme

  1. Cassio

    Se uma árvore cair e ninguém estiver perto para escutar, ela faz barulho?

    Se um bebê não pode contar – acredito que poucos possam, ele tem então um número incontável de dedos?

    As ciências são criações ou descobertas?

    Se Foucault não tivesse morrido, Chomsky seria mais lido?

    Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s